Seja bem-vindo(a), hoje é Quinta-feira, 16 de Agosto de 2018

A unidade de TCTH do IBCC está capacitada para realizar qualquer tipo de transplante: autólogo (também conhecido como autotransplante, quando as células progenitoras provêm do próprio paciente); alogênico (células progenitoras provêm de doadores aparentados e não-aparentados) e singênico (células progenitoras provêm de gêmeos idênticos – univitelinos).

Com capacidade total para 50 leitos e atualmente com 33 ativos, a Unidade de TCTH do IBCC apresenta diferenciais importantes para o tratamento da doença:

– Os quartos são autorreversíveis em UTI e evitam a transferência do paciente para uma UTI geral e sua exposição a outros pacientes.

– O papel de parede é vinílico e lavável para facilitar a higienização. Todo o projeto foi elaborado em conjunto com o Serviço de Controle de Infecção Hospitalar, manutenção, hotelaria e arquitetura pensado no bem-estar do paciente. São quartos alegres, funcionais, com tecnologia e o que há de mais moderno em design.

– Pensando na segurança do paciente, o chuveiro de banho e a ducha higiênica foram desenvolvidos pelo fabricante especialmente para o IBCC com material liso de fácil higienização que impede o acúmulo de sujeiras reduzindo os riscos de infecções.

– Os lavatórios são de material corian termomoldável e não é poroso, impedindo a formação de cantos para não acumular sujidades. A iluminação em todo o setor de led traz mais aconchego, sustentabilidade e economia em energia elétrica.

– ar-condicionado com filtro total e pressão positiva – impede a entrada de fungos e bactérias;

– hospital-dia (destinado exclusivamente aos pacientes de TCTH) – possibilita o atendimento de pacientes transplantados que precisam de medicamentos, porém, sem a necessidade de internação convenciona;

– isolamento total da Unidade de TCTH – possui entrada exclusiva para os pacientes, visando diminuir o contato destes com os demais pacientes do hospital e até mesmo com outros profissionais de Saúde, reduzindo o risco de infecção hospitalar.

 

Avanços na especialidade

Os avanços mais importantes vêm sendo relacionados ao suporte às infecções e esquemas quimioterápicos ajustados à idade e condições clínicas dos pacientes. O grande obstáculo para realização de TMO alogênico era que apenas 30% dos pacientes possuíam doadores compatíveis e podiam se beneficiar deste tratamento. Nos últimos anos a maior contribuição para o aumento destes procedimentos, foi o desenvolvimento da técnica do transplante aparentado com doador parcialmente compatível, o transplante haploidêntico.

“O Transplante é cada vez mais alternativa para o tratamento de várias doenças hematológicas, oncológicas e imunológicas. A escolha pelo tipo de transplante depende da doença a ser combatida, assim, há casos em que o TMO autólogo é adequado, mas há outras em que só há a opção de se utilizar a medula saudável de um doador, principalmente nos casos de leucemia”, explica o coordenador da Unidade de TCTH do IBCC, Dr. Roberto Luiz da Silva.

Outros avanços vêm ocorrendo, tais como o controle da recidiva das doenças após o tratamento. Isto vem sendo realizado com a Imunomodulação e uso de novas drogas. “O transplante de medula óssea continua sendo tratamento de alta complexidade que impacta fortemente na qualidade de vida do paciente. A atuação da equipe médica e multidisciplinar trabalhando conjuntamente é fundamental para o restabelecimento físico e psicológico, favorecendo a recuperação da autoestima e plena reintegração do paciente no âmbito social”, complementa a Dra. Maria Cristina Macedo, coordenadora técnica da TCTH do IBCC.    

Doenças que podem ser tratadas com Transplante de Células-Troncos

 

    GALERIA DE FOTOS

© 2018 Instituto Brasileiro de Controle do Câncer