Seja bem-vindo(a), hoje é Sexta-feira, 14 de Dezembro de 2018

Leucemina linfoide crônica (LLC) é uma neoplasia maligna que incide majoritariamente em pessoas idosas (a partir de 60 anos), raramente ocorrendo em pacientes jovens.

É uma doença de proliferação lenta, que leva ao acúmulo de células linfoides maduras anormais na medula óssea em detrimento da produção de células normais. Muitas vezes a leucemina linfoide crônica (LLC) é detectada em exames de rotina, pois a característica principal é o aumento do número de linfócitos no hemograma; algumas vezes pode haver anemia e/ou plaquetopenia.

Os sintomas relacionados podem ser inespecíficos como astenia, fraqueza e zumbido; pode ocorrer febre, adenomegalia (aumento de gânglios), aumento de baço e infecções recorrentes. É importante que se faça o estadiamento da doença, que dá uma idéia da extensão da mesma. Atualmente existem novos exames, como a citogenética, que podem ser utilizados como parâmetro prognóstico.

Tratamento

O tratamento da leucemina linfoide crônica (LLC) pode ser desnecessário na fase inicial, porém torna-se imprescindível em fase mais adiantada. A quimioterapia é a base do tratamento, podendo ser utilizada droga única ou esquemas mais agressivos. A decisão pela melhor opção terapêutica deve levar em consideração a idade, situação clínica da doença, comorbidades associadas e prognóstico. É importante o suporte às complicações infecciosas, às vezes utilizando esquemas profiláticos ou imunoglobulinas. O transplante de medula óssea pode ser considerado em pacientes jovens nas suas diversas modalidades, como o transplante não mieloablativo.

© 2018 Instituto Brasileiro de Controle do Câncer